Dor crônica

Fibromialgia: recentes avanços da ciência

Fibromialgia: recentes avanços da ciência

O briefing a seguir talvez frustre as expectativas do paciente portador de fibromialgia. Trata-se de um resumo das descobertas científicas mais recentes sobre essa complexa síndrome, o qual não inclui o que ele ou ela mais almeja: um remédio, um comprimido, um xarope, uma bala de prata, enfim, capaz de acabar com essa síndrome de vez. A matéria, a cargo de uma reumatologista italiana, resume progressos feitos tanto na compreensão das causas (ex.: trauma), como de terapias promissoras (ex.: neuromodulação). É uma matéria destinada a profissionais da saúde interessados em saber de uma doença que hoje, equivocadamente ou não, na mente de muitos pacientes se confunde com um dos tipos de dor mais comum: a dor de causa desconhecida, ou inespecífica.

A terapia com luz verde pode diminuir a ansiedade, particularmente a ansiedade baseada no medo, em pacientes com fibromialgia e reduzir o uso de opioides para controlar a dor crônica, de acordo com um estudo apresentado na reunião anual da Sociedade Americana de Anestesiologistas, realizada de 22 de outubro a 25 em Nova Orleans.1

Eis um dos destaques dentre os muitos estudos sendo desenvolvidos sobre a fibromialgia em todo mundo. A revisão de artigos a seguir descreve os achados científicos mais recentes sobre o diagnóstico, etiopatogenia e tratamento da síndrome da fibromialgia (FM).

Nota do blog: Etiopatogenia, ou etiologia, é o estudo do que provoca uma doença.

Muitos artigos tentaram estimar o grande impacto da Covid-19 na vida dos pacientes com fibromialgia, tanto do ponto de vista físico quanto mental.234

Além disso, cada vez mais atenção tem sido dada à fibromialgia juvenil, que está surgindo como uma entidade clínica distinta que precisa de diagnóstico imediato5 e que, igual a adulta, se for comórbida com uma doença reumática, aumenta a percepção de atividade da doença, facilitando a avaliação do médico.

As publicações mais importantes do ano passado centraram-se na etiopatogenia da fibromialgia. Uma das coisas que se deve ter em mente é a extrema importância do trauma na vida desses indivíduos. Uma metanálise6 de 19 estudos confirmou que existe uma associação significativa entre a exposição ao estressor e a fibromialgia em idade adulta, com as associações mais fortes observadas para abuso físico e abuso total; intermediário para abuso sexual e menor para trauma médico, outros estressores da vida e abuso emocional.

Além disso, uma teoria centrada em autoanticorpos está se desenvolvendo.7 Camundongos tratados com IgG de pacientes com fibromialgia apresentaram maior sensibilidade à estimulação nociva mecânica e fria. Fibras nociceptivas nos nervos da pele de camundongos tratados com FM IgG exibiram uma maior capacidade de resposta à estimulação fria e mecânica.

Do ponto de vista terapêutico, poucos estudos dignos de menção enfocaram o tratamento farmacológico da FM; em particular, ensaios clínicos bem conduzidos foram sobre cetamina e naltrexona em baixas doses.89

A maioria dos estudos se concentrou na neuroestimulação em pacientes com fibromialgia, em particular na estimulação magnética transcraniana repetitiva (rTMS) ou estimulação por corrente contínua (DCS).1011

Baseado em: “Síndrome de fibromialgia: o ano em revista”, de Valeria Giorgi e outros.  Fatebenefratelli Luigi Sacco University Hospital, Milão, Itália. 4th International Virtual Congress on Controversies in Fibrromyalgia.

Cadastre-se E receba nosso newsletter

Veja outros posts relacionados…

nenhum

2 respostas

  1. Boa noite, tenho fibromialgia e alodinia en todo o corpo, já tentei ortoterapia, ozônio terapia, estou tentando neuro estimulação magnética, gastando o que não podemos, e sinceramente nenhuma destas técnicas deu resultado algum, só um buraco em nosso orçamento e para mim, mais desânimo e tristeza, faço alimentação restritiva, não como mais o que gosto porque não posso, e tenho que me obrigar a fazer exercícios para não ficar em uma cama, sofri tb de fadiga crônica, e tudo é complicado de fazer e o pior é ver minha família sofrendo junto, o que me estimula para seguir essa luta diária são eles e a fé que tenho em Deus, essa doença, síndrome ou o que quer que seja, me ensinou a não me exigir mais do que eu posso, mas é muito sacrificando, espero que consigam encontrar algo que nos ajude, ah, e tomo vários remédios e suplementos tb, isso tudo custa uma fortuna, espero sinceramente que nenhuma criança passe por isso. Obrigada.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CONHEÇA DOR CRÔNICA – O BLOG
CLIQUE AQUI
Preencha e acesse!
Coloque seu nome e e-mail para acessar.
ATENÇÃO!
Toda semana este blog publica dois artigos de cientistas e dois posts inéditos da nossa autoria sobre a dor e seu gerenciamento.
Quer se manter atualizado nesse tema? Não duvide.

Deixe aqui seu e-mail:
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no site gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no site gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no site gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas