Dor crônica

A fibromialgia pode ser uma condição do sistema imunológico e não do cérebro

A fibromialgia e o sistema imunológico

A possibilidade de a fibromialgia – uma condição pouco compreendida que causa dor generalizada em todo o corpo e cansaço extremo – ser causada por uma resposta autoimune que aumenta a atividade dos nervos sensíveis à dor em todo o corpo, não é recente. Novas pesquisas, todavia, a trazem à tona e convém prestar atenção. As descobertas desafiam a visão amplamente difundida da condição – que ela tem origem no sistema nervoso central e mais precisamente, no cérebro – e podem abrir caminho para um melhor tratamento. As descobertas foram publicadas no Journal of Clinical Investigation.

O estudo foi liderado pelo King’s College of London em colaboração com a Universidade de Liverpool e o Instituto Karolinska. Ele mostra que muitos dos sintomas da fibromialgia são causados ​​por anticorpos que aumentam a atividade dos nervos sensíveis à dor.

Autora: Linda Geddes

As descobertas, publicadas no Journal of Clinical Investigation, desafiam a visão amplamente difundida de que a condição se origina no cérebro e pode abrir caminho para tratamentos mais eficazes para milhões de pessoas afetadas.

Eles também podem ter implicações para pacientes que sofrem de encefalomielite miálgica/síndrome da fadiga crônica (ME/CFS) e “Covid longa”. “Essas diferentes síndromes são sintomaticamente muito semelhantes, então acho que pode ser muito relevante para ambas as condições”, disse David Andersson, do Instituto de Psiquiatria, Psicologia e Neurociência do King’s College London, que liderou o novo estudo.

A fibromialgia afeta pelo menos 1 em cada 40 pessoas em todo o mundo, embora algumas estimativas sugiram que quase 1 em cada 20 pessoas possa ser afetada em algum grau. É caracterizada por dor generalizada e fadiga incapacitante – muitas vezes referida como “neblina fibro” – e geralmente se desenvolve entre as idades de 25 e 55 anos, embora as crianças também possam obtê-la. Semelhante a muitas condições autoimunes, a grande maioria das pessoas afetadas (80%) são mulheres.

O tratamento atual tende a se concentrar em exercícios aeróbicos suaves, bem como terapias medicamentosas e psicológicas destinadas a controlar a dor. No entanto, eles se mostraram ineficazes na maioria dos pacientes e deixaram para trás uma enorme necessidade clínica não atendida, disse Andersson. “O paradigma generalizado no momento é que esta é uma doença que emana do cérebro, e acho que nossas descobertas sugerem que esse não é o caso”, disse ele.

O desenvolvimento de novas terapias também foi dificultado por uma compreensão científica limitada do que causa a doença em primeiro lugar, mas isso pode mudar com a descoberta de que o sistema imunológico está envolvido.

Andersson e seus colegas coletaram sangue de 44 pessoas com fibromialgia e injetaram anticorpos purificados de cada um deles em camundongos diferentes. Os camundongos rapidamente se tornaram mais sensíveis à pressão e ao frio e exibiram força de preensão reduzida em suas patas. Animais injetados com anticorpos de pessoas saudáveis ​​não foram afetados.

A professora Camilla Svensson, do Instituto Karolinska, na Suécia, que também esteve envolvida no estudo, disse: “Anticorpos de pessoas com fibromialgia que vivem em dois países diferentes, Reino Unido e Suécia, deram resultados semelhantes, o que adiciona enorme força às nossas descobertas”.

Os camundongos se recuperaram assim que os anticorpos foram eliminados de seus sistemas, o que levou algumas semanas. Isso sugere que terapias como troca de plasma, que são projetadas para reduzir os níveis de anticorpos e estão disponíveis para outros distúrbios autoimunes, como miastenia gravis, podem ser eficazes em pacientes com fibromialgia.

“Estabelecer que a fibromialgia é um distúrbio autoimune transformará a forma como vemos a condição e deve abrir caminho para tratamentos mais eficazes para milhões de pessoas afetadas”, disse Andersson. “Nosso trabalho revelou toda uma nova área de opções terapêuticas e deve dar uma esperança real aos pacientes com fibromialgia.

Anticorpos de pessoas com fibromialgia parecem sensibilizar os nociceptores, que são nervos na pele que enviam sinais de dor ao cérebro, quando detectam extremos de temperatura e pressão ou produtos químicos nocivos.1

O próximo passo será identificar a quais fatores os anticorpos indutores de sintomas se ligam, disse Svensson: “Isso nos ajudará não apenas em termos de desenvolvimento de novas estratégias de tratamento para fibromialgia, mas também de exames de sangue para diagnóstico, que estão faltando hoje.”

Andersson disse que também esperava realizar experimentos semelhantes usando anticorpos colhidos de pessoas com encefalomielite miálgica/síndrome da fadiga crônica (ME/CFS) e Covid longa.

Des Quinn, presidente da Fibromialgia Action UK, disse: “A perspectiva da fibromialgia ser uma condição autoimune foi debatida muitas vezes e isso aumentará essa discussão. Se esses resultados puderem ser replicados e expandidos, a perspectiva de um novo tratamento para pessoas com fibromialgia seria extraordinária. No entanto, os resultados precisam de mais confirmação e investigação antes que os resultados possam ser aplicados universalmente.”

Também seria interessante investigar como esses achados se relacionam com outros sintomas da fibromialgia, como fadiga, distúrbios do sono e problemas cognitivos, acrescentou.

De qualquer forma, devido à compreensão científica e médica limitada das causas da fibromialgia em primeiro lugar, o desenvolvimento de novos métodos e terapias está atrasado, mas com esta nova descoberta de pesquisa, há possibilidades de ver melhorias agora.

Cadastre-se E receba nosso newsletter

3 respostas

  1. Tenho fibromialgia e a dor é inesplicavel, o único remedio que faz um pouco de efeito é tramal, já não aguento tanta dor, se achasse a cura ou tratamento que nos permitisse ver com mais qualidade seria otimo

  2. Olá! Saber que a Fibromialgia está avançando nas pesquisas, isso,de certa forma nos dar uma esperança de que um dia, não iremos ser mais um paciente poliqueixoso ,ou fantasioso como na maioria das vezes fui tida nas emergências. É triste, você entrar com crises de dor e sair desacreditada pelo um profissional de saúde, que acha que sua dor é limitada a tramal e que uma boa atividade física vai passar. Sou adepta a ciência alternativa, tudo que possa ajudar a melhorar eu acredito, só que é dor crônica simplesmente não passa você tem que conviver com a dor. Você é obrigado a viver com dor,mesmo que em dias mais leves mas, não deixa de sentir dor.

    1. Ivonete, grato por seu comentário no blog e, por favor, queira me desculpar pela demora em respondê-lo.
      É difícil antepor alguma observação produtiva diante da sua situação. O único que posso fazer é convidá-la a responder as perguntas seguintes:
      1) o seu diagnóstico é confiável? De fato, como você mesma disse, poucos médicos entendem dessa doença. A indagação é boa porque outras doenças crônicas parecem com fibromialgia e têm tratamentos melhor estabelecidos.
      2) as medidas de controle da dor não biomédicas (ex.: alimentação, exercício etc.) integraram um plano coerente? Foram seguidas à risca durante mais de 6 meses? Caso contrário, não há como concluir que não ajudaram.
      3) o uso de remédios foi prescrito, discreto e acompanhado por médicos? A farmacologia não é aconselhável para a fibromialgia, a não ser para superar surtos.
      4) você tentou se preparar, sobretudo mentalmente, para quando o surto acontecer?
      5) você tem feito algo por tratar os efeitos emocionais da doença (ex.: ansiedade, raiva, depressão)?
      6) você já contou (ou conta) com um plano de enfrentamento da dor e dos sintomas da fibromialgia?
      7) você poderia dizer que já leu o suficiente sobre fibromialgia como para dizer que sabe o que a um paciente interessa saber sobre ela?
      Bem, espero que você não me culpe por reagir com indagações a uma situação tão pungente, desesperadora e concreta, como é a sua. Contudo, penso que está no momento de pôr a mente para refletir, no intuito de descobrir uma saída. Será sempre uma combinação de várias coisas, possivelmente mudanças de hábitos, relações com outros, maneiras de pensar sobre a doença e seus efeitos.
      Quanto ao descaso sofrido na mão de médicos, releve e esqueça. Você não vai mudar isso. Ponha foco no que interessa, que é a recuperação de qualidade de vida, incluindo paz de espírito diante da doença e a dor. Abs, Julio

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CONHEÇA DOR CRÔNICA – O BLOG
CLIQUE AQUI
Preencha e acesse!
Coloque seu nome e e-mail para acessar.
ATENÇÃO!
Toda semana este blog publica dois artigos de cientistas e dois posts inéditos da nossa autoria sobre a dor e seu gerenciamento.
Quer se manter atualizado nesse tema? Não duvide.

Deixe aqui seu e-mail:
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no site gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no site gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas
Preencha e acesse!
Você pode ler o ebook no site gratuitamente preenchendo os dados abaixo:
Dor Crônica - O Blog das Dores Crônicas